em Geral

Tareq Helmi, Cineasta Ali e o Filme Vitória da Revolução, Egito

Helmy é o filho de um egípcio e mãe alemã, sua irmã é Ranja Bonalana . Em 1982, ele era um caçador de vazamento antes da escola, em Berlin-Charlottenburg descoberto e, portanto, 1983-1986 jogado o filho caçula de Schumann na série ZDF- me casar com uma família . Sua irmã foi Ranja ver aqui, mas apenas em uma pequena aparição. Mais tarde trabalhou Helmy, assim como sua irmã, como a dublagem e paralela como músico.

Atualmente médico Cirurgião Tareq Helmi fez parte da histórica revolução no egito. Ele foi até o local pensando que iria atender alguns feridos e voltar para casa, mas acabou passando duas semanas na praça, até o último dia dos protestos. Durante o período, teve que interferir algumas vezes entre os manifestantes para acalmar os ânimos, socorrer feridos por balas e buscar ambulâncias para transferir os que estavam em estado grave aos hospitais. Helmi chegou a dirigir uma equipe de médicos em um hospital improvisado no coração da praça Tahrir.

A derrubada de Mubarak é apenas o primeiro passo. A Revolução entra em uma nova fase. A luta pela democracia é apenas metade da tarefa. A outra metade consiste na luta contra a ditadura dos ricos: a expropriação da propriedade de Mubarak e de toda a camarilha dominante, e a expropriação da propriedade dos imperialistas que os apoiaram e os mantiveram no poder durante três longas décadas.

Protagonistas – O cineasta Ali, famoso por rodar filmes que retratam questões polêmicas na sociedade egípcia, conta que também viveu a revolução de perto – e foi na própria praça, durante as manifestações, que ele filmou as primeiras cenas. Os atores também foram escolhidos em meio à multidão que participou dos protestos. “Trouxe os protagonistas da própria praça porque eles estavam ali, no meio de tudo. Assim, a presença deles no filme será muito mais natural”, explicou.

Depois de ter rodado a primeira parte do filme como um documentário, o cineasta preparou um roteiro para completar a produção com cenas fictícias, inspiradas em tudo o que aconteceu na praça. Apesar do cineasta ter gravado imagens também das comemorações depois da queda de Mubarak, essas imagens não deverão ser incluídas. “O ponto alto da revolução foi a renúncia de Mubarak do poder, e este deverá ser o final do filme: a vitória da revolução”, justificou ele.

 

Até Breve!

Escrever comentário

Comentário