Já és minha, Pablo Neruda

Já és minha. Repousa com teu sonho em meu sonho. Amor, dor, trabalho, devem dormir agora. Gira a noite sobre suas invisíveis rodas e junto a mim és pura como âmbar dormido… Nenhuma mais, amor, dormira com meus sonhos… Irás, iremos juntos pelas águas do tempo. Nenhuma viajará pela sombra comigo, só tu. sempre viva. […]

Leia mais…

Se eu morrer, Pablo Neruda

Se eu morrer, sobrevive a mim com tamanha força que acordarás as fúrias do pálido e do frio, de sul a sul, ergue teus olhos indeléveis, de sol a sol sonha através de tua boca cantante. Não quero que tua risada ou teus passos hesitem. Não quero que minha herança de alegria morra. Não me […]

Leia mais…

Vês estas mãos?

Vês estas mãos? Mediram a terra, separaram os minerais e os cereais, fizeram a paz e a guerra, derrubaram as distâncias de todos os mares e rios, e, no entanto, quando te percorrem a ti, pequena, grão de trigo, andorinha, não chegam para abarcar-te, esforçadas alcançam as palomas gêmeas que repousam ou voam no teu […]

Leia mais…

Nos bosques, perdido

Nos bosques, perdido, cortei um ramo escuro E aos lábios, sedento, levante seu sussurro: era talvez a voz da chuva chorando, um sino quebrado ou um coração partido. Algo que de tão longe me parecia oculto gravemente, coberto pela terra, um grito ensurdecido por imensos outonos, pela entreaberta e úmida treva das folhas. Porem ali, […]

Leia mais…