Pablo Neruda Poemas

Neftalí Ricardo Reyes, poeta chileno. Autor de obra marcada pela emotividade e as preocupações sociais. Prêmio Nobel de 1971.

Poeta muito marcado pela emotividade, o chileno Pablo Neruda realizou uma obra de crescente pendor humanitário e, em suas últimas fases, pôs o talento a serviço da justiça social. Em 1971 recebeu o Prêmio Nobel de literatura. Neftalí Ricardo Reyes, que adotou o pseudônimo Pablo Neruda, em homenagem ao poeta tcheco Jan Neruda, nasceu em Parral em 12 de julho de 1904.

Passou a infância em Temuco, no sul do país, onde aprendeu a amar a natureza. Em 1921 mudou-se para Santiago, começou a estudar francês no Instituto Pedagógico da Universidade do Chile e escreveu os primeiros poemas, reunidos em Crepusculario (1923), em que já assinou o nome Pablo Neruda, adotado legalmente em 1946.

pablo

O livro seguinte, Veinte poemas de amor y una canción desesperada (1924), de lirismo arrebatado, fez de Neruda, com apenas vinte anos, um dos mais famosos poetas chilenos. Tentativa del hombre infinito (1925), em que transparece uma intensa atmosfera de angústia, constituiu progresso decisivo na criação de uma linguagem poética pessoal. Nomeado em 1927 cônsul-geral do Chile em Rangum (hoje Yangon), na Birmânia (atual Myanmar), durante os cinco anos seguintes Neruda representou seu país em diversos pontos do Sudeste Asiático.

Nesse período casou-se com Maria Haagenar e escreveu uma de suas obras principais, Residencia en la tierra (1933), em que emprega imagens e recursos próprios do surrealismo dentro de uma perspectiva original. O tom do livro é de profundo pessimismo em torno dos temas do tempo, da ruína, da desintegração e da morte, e exprime a visão de um mundo caótico.

Depois de breve estada em Buenos Aires, Neruda serviu como cônsul na Espanha, primeiro em Barcelona, depois em Madri, e tornou-se figura indispensável nos meios intelectuais. Uniu-se então, em seu segundo casamento, a Delia del Carril. A guerra civil espanhola, que lhe inspirou a obra España en el corazón (1937), determinou uma mudança profunda na atitude do poeta, que aderiu ao marxismo e decidiu consagrar sua obra e sua vida à defesa dos ideais políticos e sociais inspirados pelo comunismo.

Em 1938 regressou ao Chile e, após novo período no México como embaixador, em 1945 foi eleito senador pelo Partido Comunista. Três anos depois, porém, o governo pôs o partido na ilegalidade. Com o mandato cassado, o poeta abandonou o país e visitou vários países da Europa, inclusive a União Soviética, que em 1953 lhe concedeu o Prêmio Lenin da paz. Neruda terminou nesses anos de exílio outra de suas obras maiores, Canto general (1950), exaltação épica da América Latina.

Quando, em 1952, o governo chileno restabeleceu as liberdades políticas, Neruda regressou ao país com sua terceira mulher, Matilde Urrutia, e fixou residência em Isla Negra, no Pacífico. Fez numerosas viagens. Sua poesia adquiriu uma grande diversidade e, se nas Odas elementales (1954) cantava a vida cotidiana, em Cien sonetos de amor (1959) e em Memorial de Isla Negra (1964) evocava o amor e a nostalgia do passado em imagens expressivas, enquanto em La espada encendida (1970; A espada incendiada) o autor reafirmava seu compromisso com a ideologia político-social.

Em 1971 Neruda foi novamente nomeado embaixador do Chile em Paris. Passados 12 dias do golpe de estado que sepultou o governo popular de Salvador Allende e deu início a um negro período na história chilena, Pablo Neruda morreu em Santiago, em 23 de setembro de 1973. Sua autobiografia, Confieso que he vivido, publicada postumamente em 1974, é extraordinário testemunho sobre o poeta e seu tempo.

Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda

Deixe uma resposta