em Geral

Copa do Mundo 1986: Maradona ganha a Copa para Argentina

Torcida comemora bicampeonato

Maradona comandou a equipe da Argentina na campanha vitoriosa do bicampeonato, na Copa de 1986. Já o Brasil voltou mais cedo para casa, eliminado, nos pênaltis, pela França, nas quartas-de-final.

O México ganhou o direito de sediar a Copa do Mundo pela segunda vez, depois de a Colômbia, inicialmente escolhida para abrigar o campeonato, desistir do torneio, alegando falta de dinheiro para as obras necessárias à criação da infra-estrutura exigida.

O Brasil foi escolhido cabeça-de-chave do grupo D, formado também pela Espanha, Irlanda do Norte e Argélia.

A seleção brasileira jogaria todas as partidas no estádio Jalisco, em Guadalajara, local da vitoriosa campanha da Copa de 70.argentina-1986Brasil eliminado – O adversário do Brasil seria a França de Michel Platini, Tigana e Girese, um time com estilo de jogo aberto como o brasileiro.

Como a seleção brasileira, a França apresentava uma base composta por uma geração de craques em decadência, que disputaria a sua última Copa do Mundo.

Jogando ofensivamente, os dois times fizeram um grande espetáculo para o público. A partida foi considerada pela Fifa a mais técnica da Copa.

O Brasil começou dominando e aos 17 minutos de jogo o centroavante Careca completou de primeira uma bela troca de passes do ataque brasileiro. Mas, antes do final do primeiro tempo, um descuido da zaga brasileira permitiu que Platini completasse um cruzamento, empatando a partida. No segundo tempo, Telê colocou Zico no lugar de Mueller. Logo na primeira jogada, Zico deu um ótimo passe para o lateral Branco, que foi derrubado na área. Encarregado da cobrança, Zico bateu fraco, permitindo a defesa do goleiro Bats. O empate de 1 a 1 prevaleceu até o final do tempo normal. Também não houve gols na prorrogação de 30 minutos, o que levou o jogo a ser decidido nos pênaltis.

Sócrates e Júlio César desperdiçaram suas cobranças. Pela França, apenas Platini não marcou. O Brasil estava eliminado de mais uma Copa do Mundo. Por ter perdido o pênalti no tempo normal, Zico foi duramente criticado pela torcida. Foi chamado de displicente e de responsável pela eliminação do Brasil. Em entrevista à BBC, Zico rebateu as críticas e negou que tenha sido displicente: “Não houve displicência. Na verdade eu tinha acabado de entrar e ainda estava meio frio, ainda não estava no ritmo da partida. Não queria cobrar, mas acabou sobrando para mim, pois no treino do dia anterior eu tive o melhor índice de aproveitamento.” Para o lateral Junior, o que faltou foi “criatividade e um pouco de sorte.”

Final Nas semifinais, Argentina e Alemanha venceram, respectivamente, a Bélgica e a França pelo mesmo placar de 2 a 0, classificando-se para a grande final.

Contra a Bélgica, a Argentina teve outro golaço de Maradona, que conseguiu romper a marcação de vários zagueiros com jogadas geniais. Num jogo de grande emoção, a Argentina, sob comando de Maradona, venceu na final a forte equipe da Alemanha por 3 a 2, conquistando o bicampeonato mundial.     Maradona repetiu em 86 para a Argentina o que Garrincha, em 62 no Chile, e Pelé, em 70, no México, tinham feito para o Brasil. O craque inventou jogadas sensacionais e enloqueceu seus marcadores, comandando as vitórias de seu time.  A Copa do México marcou o fim de uma das maiores gerações de craques do futebol mundial. Seria a última Copa de Zico, Falcão, Junior, Sócrates, Reinaldo, Leandro e Toninho Cerezo para o Brasil, e de Platini, Tigana, Girese para a França, e de Rummenige para a Alemanha.

Fonte wikipedia e BBC Brasil

Até Breve

Escrever comentário

Comentário