Como Carbonizar Cascas de Arroz, Dicas

Segundo o Engº. Agrº. M.Sc. Francisco Xavier de Souza da EMBRAPA, para carbonização das cascas de arroz, deve-se construir um “carbonizador” que é composto de um cilindro carbonizador, uma base de encaixe e uma chaminé. Esse cilindro pode ser feito a partir de tonel de latão com capacidade de 200 litros.

Para tanto, deve-se retirar suas bases e fazer cortes (entalhes) em todo seu perímetro. A base de encaixe e a chaminé são feitas com zinco.Para carbonização das cascas de arroz, deve-se escolher um local plano, limpo, próximo à fonte de água e seguir as seguintes etapas:

1. Fazer fogo com lenha ou carvão no piso do local escolhido;
2. Pôr o cilindro carbonizador sobre o fogo e depois colocar a base de encaixe da chaminé sobre o cilindro carbonizador;
3. Colocar as cascas de arroz circundando o cilindro até a altura da base de encaixe da chaminé, de maneira que formem um cone de cascas de arroz;
4. Colocar a chaminé sobre sua base de encaixe, localizada na parte superior do cilindro carbonizador.
casca arroz carbonizadoA partir de então, tem-se que ficar atento à saída do fogo na superfície da camada de cascas de arroz, tendo o cuidado de não deixar formar chamas. Para tanto, o operador, com o uso de uma pá, deverá retirar as cascas da base da camada (próximo ao solo) e colocá-las sobre os locais em chamas (pontos de fogo) da superfície da camada.

Quando toda a camada de cascas estiver carbonizada, ou seja, escura como carvão vegetal, o operador deverá colocar mais cascas para continuar a carbonização, ou, com o uso de uma pá, afastar para o lado aquelas já carbonizadas e umedecê-las com água até certificar-se de que não há mais combustão, restando apenas as cascas de arroz carbonizadas.

As cascas de arroz, quando queimadas totalmente, transformam-se em cinzas e têm seu volume reduzido em cerca de 20 vezes. Na carbonização, o rendimento é muito superior e, quando bem efetuada, chega-se a 50%, ou seja, o volume reduz-se apenas pela metade.

As cascas de arroz carbonizadas podem ser usadas puras ou em mistura com outros substratos para formação de mudas de diversas espécies de plantas florestais, frutíferas, hortícolas e ornamentais. Esse substrato vem sendo utilizado com muito sucesso na propagação vegetativa da pimenta-do-reino, no Estado do Pará.

Até!