em Famosos

Bruna Surfistinha não acredita em pecado e está de Frente com Gabi

O programa “De Frente Com Gabi” tem trazido entrevistas fenomenais para o público brasileiro. Não somente informação, mas o quê e principalmente “como” as pessoas pensam e o porquê elas agem de certa maneira.

Neste domingo temos uma das mulheres que abriu o jogo sobre a prostituição, escreveu um livro e tem um blog com média de 20 mil acessos diariamente.

São pessoas curiosas, pesquisadores, empáticas que acessam e ela confessa que muitas queriam viver na pele de uma prostituta por um dia somente.

Raquel Pacheco, a Bruna Surfistinha, que também está nos cinemas na dramatização de Deborah Secco e estreia agora dia 25 de fevereiro.

Mas neste domingo você está com a Gabi de frente para a própria, Bruna Surfistinha que abre tudo o que você gostaria de perguntar a ex-prostituta responde.

raquel pacheco

Veja algumas das perguntas a serem respondidas:

  • “Fiquei muito contente com a escolha da Deborah. Gosto dela desde Confissões de Adolescente”;
  • “No começo, pensei que ia me prostituir para o resto da vida”;
  • “Não tenho contato com os meus pais há oito anos”;
  • “Sinto falta da minha família”;
  • “Na época que comecei a trabalhar como garota de programa sentia falta de amor”;
  • “Fiz análise durante muito tempo. Parei e quero voltar”;
  • “Eu uni o útil ao agradável. Eu queria ganhar dinheiro e gostava de fazer sexo”;
  • “A prostituição é uma difícil vida fácil”;
  • “Comecei trabalhando com cafetão. Cobrava R$ 100”;
  • “Usei cocaína e maconha”;
  • “Comecei a escrever no blog, depois que parei de usar drogas”;
  • “A garota de programa é uma mulher com uma carência afetiva muito grande”;
  • “Não quero influenciar ninguém”;
  • “Quero ser mãe ainda neste ano”;
  • “Sofro preconceito por ser ex”;
  • “Quando tiver filhos, prefiro que eles saibam por mim sobre o meu passado”;
  • “Sou muita tímida”;
  • “Agora, baixei o facho”;
  • “Fui muito bem recebida em Portugal”;
  • “Sempre fui muito romântica”;
  • “Nunca sofri nenhuma violência”;
  • “Tinham muitos homens que queriam que eu fosse o Bruninho, que usasse brinquedinhos”.

Até Breve

Escrever comentário

Comentário